Ministérios Laudato Si’: Como uma diocese dos EUA lançou o ministério que está transformando sua comunidade

por | abr 26, 2021 | Notícias e Atualizações

A Laudato Si’ inspirou Kayla Jacobs, Diretora dos Ministérios Laudato Si’ em Joliet, Illinois, USA.

Anos atrás, Kayla Jacobs não esperava que católicos dos EUA inteiro perguntassem sobre seu trabalho.

Ela sabia pouco sobre a Doutrina Social da Igreja até ela ir estudar na Universidade St. Xavier  na zona sul de Chicago.

Lá ela entrou em contato com um coordenador de paz e justiça da arquidiocese local.

“Eu estava tipo, ‘Uau, as pessoas fazem isso em tempo integral, você poderia realmente [ensinar] a Doutrina Social da Igreja para sempre?’”, disse ela em um novo episódio do podcast do Movimento Católico Global pelo Clima

Ouça e se inscreva no podcast do GCCM abaixo:

(O podcast do GCCM é em inglês.)

Agora, as pessoas expressam admiração por sua posição, que parece ser a primeira desse tipo nos EUA.

Jacobs atua como Diretora de Programas para os Ministérios Laudato Si’ na Diocese de Joliet, Illinois (USA).

Em outubro de 2019, a diocese foi a primeira nos EUA a estabelecer esse ministério.

Criá-lo levou horas e horas e horas de conversas, junto com o apoio dos mais altos níveis da diocese, disseram Jacobs e Tom Garlitz, o Diretor do Escritório da Dignidade Humana da Diocese de Joliet.

Mas seu caminho contém lições para dioceses do mundo inteiro que buscam uma mudança semelhante e procuram elevar a obra vivificante da Laudato Si’.

Embora a pandemia da COVID-19 tenha retardado o início do ministério, Jacobs e Garlitz dizem que a mudança foi fundamental para ajudá-los a transformar e trazer a Laudato Si’ à vida em toda a diocese, que é uma das maiores nos EUA.

Jacobs tem mais tempo para se dedicar aos projetos da Laudato Si’. Ela ajudou a iniciar uma fazenda em um deserto de comida para servir a uma comunidade empobrecida, e ela viu um aumento nas novas equipes ecológicas em paróquias locais.

Jacobs ajuda a preparar um canteiro de jardim.

Jacobs participa de um momento de oração do Tempo da Criação.

Ela pode dizer “sim” com mais frequência a pedidos para os quais não teve tempo no passado, como quando uma paróquia pede ajuda para começar um jardim ou quando buscam alguém para ensinar sobre a Laudato Si’.

Jacobs também pode dedicar mais tempo ao trabalho de defesa de direitos, como fornecer informações sobre legislação local de energia limpa, e compartilhar a inspiração que a Laudato Si’ lhe dá diariamente.

“Minha citação favorita da Laudato Si’ é “‘O solo, a água, as montanhas: tudo é carícia de Deus (LS 84).’ Essa é a coisa mais verdadeira que sinto em meu coração”, disse ela.

“Houve inúmeras vezes atravessei as montanhas numa caminhada, e me vi cercada por montanhas. Acabei chorando porque sinto o amor de Deus por mim.”

O novo ministério comunicou uma mensagem poderosa aos 600.000 católicos e 129 igrejas da diocese.

“Se uma diocese inicia um ministério como este, isso significa que levamos a sério o cuidado da criação”, disse Jacobs.

Dioceses em todos os lugares, das Filipinas à Polônia e ao Equador, se enfocam na mensagem de esperança do Papa Francisco na Laudato Si’.

Mas esse trabalho e os cargos a ele dedicados geralmente ficam sob os departamentos de Justiça, Paz e Integridade da Criação, ou algo semelhante.

Em Joliet, logo após o Papa Francisco lançar a carta encíclica em maio de 2015, Jacobs estava trabalhando no Escritório da Dignidade Humana sob a direção do Garlitz.

No início, ela fez tudo o que podia com a Laudato Si’ enquanto trabalhava em outras prioridades. Ela fez apresentações em igrejas e organizou mesas redondas sobre as mensagens da encíclica.

Mas ela não conseguia encontrar tempo para lidar com outros itens que nasceram da Laudato Si’, como criar uma fazenda, ajudar a aumentar equipes ecológicas em paróquias em 30% ou orientar o maior número possível de paróquias para conduzir auditorias de eficiência ambiental e agir sobre elas.

Ela e Garlitz rapidamente perceberam que a mensagem do Papa Francisco exigiria um ministério novo e separado para verdadeiramente semeá-la em toda a diocese.

“A beleza da Laudato Si’ é sua visão abrangente. É sobre o cuidado com nossa casa comum, mas não é simplesmente uma encíclica ambiental. Há um lugar para todos se desenvolverem”, disse Garlitz.

Em 2019, Jacobs e Garlitz começaram a criar o novo ministério. Eles formaram seu argumento da seguinte forma:

  • Ser bons guardiões da Terra, como sugere o Papa Francisco, é bom por si só porque estamos cuidando da criação. Mas também ajudará a diocese a economizar dinheiro.
  • Se cuidar de nossa casa comum é importante para o Papa Francisco, deveria ser importante para nós.
  • Os jovens podem não estar nos bancos das igrejas, mas eles estão preocupados com questões de justiça, incluindo a crise climática. “Esta é uma ótima maneira de encontrar nossos jovens onde eles estão”, disse Jacobs.

Naquele ano, eles apresentaram sua ideia ao Conselho da Cúria local três vezes. Jacobs estima que Garlitz teve pelo menos 20 conversas individuais com pessoas, incluindo o bispo da diocese.

Finalmente, receberam financiamento de um grupo local de Irmãs Franciscanas e começaram seu ministério há 19 meses.

Garlitz, no entanto, é rápido em rebater a ideia de que ter o financiamento resolveu tudo. Obviamente, garantir o dinheiro era crucial, mas também era crucial o forte apoio a este ministério em toda a diocese.

“É muito mais do que [financiamento]”, disse ele.

.

Com a pandemia da COVID-19 diminuindo nos EUA, Jacobs vê seu ministério prestes a decolar.

Nos próximos meses, ela planeja sediar um acampamento ambiental na fazenda e comemorar a Semana Laudato Si’ com uma conferência online sobre a encíclica.

Ela e Garlitz também estão trabalhando no plano de ação de sete anos da diocese que fará parte de uma nova Plataforma de Ação Laudato Si’. O esforço liderado pelo Vaticano capacitará as instituições católicas, comunidades e famílias para implementar a Laudato Si’.

Enquanto continuam seu trabalho, Jacobs e Garlitz estão prontos para conversar com qualquer diocese que pretenda iniciar um ministério Laudato Si’, porque eles sabem que todo o trabalho valeu a pena.

“A Laudato Si’ atraiu as pessoas porque é muito transformadora. Ela exige uma conversão individual e os jovens estão procurando um significado, e ela exige uma revolução social, e os jovens estão procurando por isso”, disse Garlitz.

“Vamos ver isso prosperar e crescer.”

 

Mais sobre o Movimento Católico Global pelo Clima e a Semana Laudato Si’:

admin
admin

0 comentários