Bispos africanos: Não temos o direito de destruir a biodiversidade

por | jun 21, 2022 | Blog, Notícias e Atualizações | 0 Comentários

(Nairobi, 21 de junho de 2022) O Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar (SCEAM) tornou hoje pública uma declaração apelando aos governos para que desenvolvam ações urgentes e ambiciosas para proteger a biodiversidade. É a primeira vez que a Igreja africana profere um posicionamento público neste âmbito. O texto foi apresentado num evento em Nairobi (Quénia), onde decorrem sessões preparatórias para a cimeira das Nações Unidas sobre a Biodiversidade (COP15) que terá lugar na China antes do final do ano. A declaração contou com o apoio da Rede Eclesial para a Bacia do Rio Congo (REBAC) e do Movimento Laudato Si’ (MLS)

Seguindo a via traçada pelo Papa Francisco na sua encíclica Laudato Si’, este documento considera que o cuidado da natureza – como criação de Deus – e dos mais vulneráveis caminham lado a lado. Neste sentido, alerta: “Não temos o direito de destruir a biodiversidade”. Por conseguinte, os bispos do SCEAM uniram-se a quantos exigem que se proteja 50% da terra até 2030. Além disso, o documento pede que se respeitem os direitos dos povos indígenas e o abandono imediato da construção do oleoduto da África Oriental. Finalmente, pedem aos Governos – especialmente aos do Norte Global – que sejam transparentes e prestem contas, ao mesmo tempo que lhes recordam os seus compromissos financeiros para deter a perda da biodiversidade e iniciar a sua recuperação.

Emergência climática e crise da biodiversidade

A declaração do SCEAM faz uma menção especial à biomassa da bacia do rio Congo, que é a segunda maior floresta tropical do mundo. Ali, o abate ilegal e abusivo de árvores juntamente com o açambarcamento de terras relacionado com a agricultura industrial colocam em risco os povos indígenas e em perigo de extinção muitas espécies. Além disso, o documento assinala que a emergência climática e a crise da biodiversidade estão intimamente ligadas. A razão para tal é que a destruição da biomassa conduz à perda de um recurso essencial para a absorção do carbono para a atmosfera, o que ajuda a mitigar o aquecimento global. Assim, o clima e a biodiversidade são as suas caras da mesma moeda e, por este motivo, devem ser enfrentados em conjunto. De igual modo, o problema ecológico é inseparável da sua vertente social. Como refere a declaração, estes abusos contra a biodiversidade afetam comunidades vulneráveis que desde há séculos cuidam desses ecossistemas e também provocam diferentes conflitos sociais.

A declaração “O SCEAM apela a uma ação urgente para alcançar um ambicioso Quadro Global da Biodiversidade Pós-2020” é assinada pelo bispo D. Sithembele Sipuka, vice-presidente do SCEAM. O documento foi dado hoje a conhecer numa cerimónia organizada pelo SCEAM, a REBAC e o MLS em Nairobi. No decurso do evento intervieram o P. Joshtrom Issac Kureethadam, do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral (Vaticano), e representantes de diferentes organizações. Entre outras entidades, participaram River Above Asia Oceania Ecclesial Network (RAOEN), Friends of Lake Turkana, Justice, Peace and Integrity of Creation Franciscan Africa (JPICFA), e Association of Member Episcopal Conferences in Eastern Africa (AMECEA). 

O evento The Catholic Church Position at COP15 coincidiu com a reunião na capital do Quénia do grupo de trabalho sobre o Quadro Global da Biodiversidade Pós-2020, que prepara a Conferência das Nações Unidas sobre a Biodiversidade (COP15) na China nos finais de 2022. Os promotores do manifesto abriram a possibilidade de adesão por meio da assinatura da Petição Planeta Saudável, Pessoas Saudáveis aos líderes mundiais que participem na cimeira. Pode ser feito através desta página: https://healthyplanetandpeople.org/pt/home-pt/

Sobre o Movimento Laudato Si’ (MLS)

O Movimento Laudato Si’ serve a família católica em todo o mundo para transformar a carta encíclica Laudato Si’, do Papa Francisco, em ação pela justiça climática e ecológica. Os esforços do Movimento para construir um movimento de base recorrem a contribuições combinadas de quase 800 organizações-membros e milhares de voluntários locais que ajudam a dar vida à mensagem da Laudato Si’.
Mais informação: https://laudatosimovement.org/pt/

Sobre o Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar (SCEAM)

O Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar (SCEAM) nasceu da vontade de um grupo de bispos africanos participantes no Concílio Vaticano II (1962-1965). Era seu desejo criar um fórum no qual pudessem falar a uma só voz, sobre os assuntos pertinentes à Igreja em África. A fundação do SCEAM é, portanto, fruto da decisão dos bispos em formar uma estrutura, a nível continental, de modo a poder fortalecer a visão africana de toda a Igreja.
Mais informação: https://secam.org/pt-pt

Sobre a Rede Eclesial para a Bacia do Rio Congo (REBAC)

Em março de 2015, em Windhoek (Namíbia), as Comissões Regionais e Nacionais de Justiça e Paz do Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagáscar (SCEAM) lançaram a ideia da criação da Rede Eclesial para a Bacia do Rio Congo (REBAC), seguindo o exemplo da Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM).  Em sua fase inicial, a iniciativa tinha como alvo os 6 países de floresta equatorial (Camarões, Gabão, Guiné Equatorial, República Centro-Africana, República do Congo, RD Congo). A preocupação com estes “pulmões do planeta repletos de biodiversidade” tem o incentivo do Papa Francisco. Em fevereiro de 2016, a comissão permanente do SCEAM aprovou o projeto (documento de posicionamento do SCEAM sobre a criação da Rede Eclesial Africana para a proteção da floresta da Bacia do rio Congo). Em julho de 2016, a Assembleia Plenária do SCEAM em Luanda confirmou o programa REBAC.
Mais informação: https://rebaccongobassin.org 

 

Laudato Si’ Movement
Laudato Si’ Movement

Histórias e declarações escritas por Laudato Si’ Movement representam o trabalho da organização e/ou mais de um membro do pessoal do movimento.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments