As conferências das Nações Unidas sobre mudanças climáticas foram fundamentais para o progresso global contra a crise climática, embora ainda haja muito trabalho a ser feito.

Em novembro de 2021, grande parte do mundo tem focado na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26) em Glasgow, querendo garantir que as lideranças mundiais estabeleçam planos que ajudem a cumprir as metas do histórico acordo climático de Paris de 2015.

No entanto, em 2022, também ocorrerá uma conferência da ONU igualmente importante, senão mais: as reuniões online para a Conferência das Nações Unidas sobre a Biodiversidade, ou COP15.

O que é um COP15? Porque é importante? E por que as lideranças católicas ao redor do mundo estão encorajando os fiéis para defender todos os membros da criação e proteger a biodiversidade antes da cúpula da ONU?

O que é a COP15?

A convenção da ONU é como os países ao redor do mundo concordam em proteger a natureza e nossa casa comum.

A convenção foi assinada pela primeira vez na Cúpula da Terra no Rio de Janeiro em 1992. É um tratado internacional sobre a conservação da biodiversidade, o uso sustentável da biodiversidade e a distribuição equitativa dos benefícios dos recursos naturais.

A convenção a ser realizada na China, é especialmente crucial porque pouco se avançou na proteção da natureza durante os últimos 20 anos.

Os países no mundo todo concordaram com as metas principais em 2002 e novamente em 2010, mas poucas ações se seguiram a esses acordos.

Como a Reuters relatou recentemente: “A cúpula espera definir metas de longo prazo para meados do século e metas de curto prazo para 2030 e, crucialmente, pressionar para que sejam consagradas nas políticas nacionais.”

Durante os últimos 20 anos, “Ninguém realmente tinha essas metas. Não surpreende que no período de 10 anos descobrimos que nenhuma dessas metas foi totalmente cumprida”, disse Li Shuo, uma diretora sênior de políticas do clima e de energia do Greenpeace China.

Uma olhada no esboço oficial das metas de 2030 mostra a ação necessária e ambiciosa pela qual todos os membros da criação de Deus têm ansiado nas últimas décadas. Essas ações exigirão que o mundo inteiro trabalhe em conjunto, e todas as pessoas de fé, certificando-se de que suas autoridades eleitas e outras pessoas estejam fazendo tudo o que podem para cumprir as metas.

Alguns exemplos das 21 metas incluem conservar pelo menos 30 por cento das áreas terrestres e marítimas, reduzir pela metade os nutrientes perdidos para o meio ambiente e aplicar pelo menos 10 gigatoneladas de dióxido de carbono equivalente de contribuições baseadas na natureza para esforços globais contra a crise climática.

Por que é importante proteger a natureza e a biodiversidade?

Em um nível prático, não podemos parar a crise climática sem ecossistemas saudáveis e uma natureza próspera. É como deixa claro a petição “Planeta Saudável, Pessoas Saudáveis”: “a crise climática e o colapso da biodiversidade são crises gêmeas”.

A petição declara: “Um mundo em aquecimento está exacerbando a perda crescente de espécies inocentes. E a perda adicional da natureza colocará em risco nossa capacidade de cumprir o limite de 1,5ºC para o aquecimento global. Estamos avançando em direção a uma catástrofe global, que parece ser irreversível para nossa casa comum, com trágica perda de vidas em toda a criação – a menos que ajamos agora com grande urgência.”

Simplificando, a humanidade precisa da natureza para sobreviver e prosperar. Não podemos ter pessoas saudáveis sem um planeta saudável, e isso é especialmente o caso enquanto trabalhamos para enfrentar a crise climática. Por exemplo, florestas vibrantes armazenam carbono, ajudando a manter o nocivo gás do efeito estufa fora da atmosfera.

Em março de 2021​, o Instituto de Pesquisa Laudato Si’ publicou um relatório marcante intitulado, “The Wailing of God’s Creatures” [A lamentação das criaturas de Deus]. O relatório deixa claro mais uma vez como todas as pessoas católicas devem defender o cuidado da criação e como a humanidade precisa da criação de Deus de várias maneiras:

“Além de comida e abrigo, os humanos dependem dos ecossistemas para prover-lhes, entre outras necessidades, energia, regulação do clima, purificação do ar e da água, proteção contra enchentes, medicina, bem como serviços culturais, recreativos, estéticos e espirituais. Quando a saúde do ecossistema é comprometida devido à extensa perda de biodiversidade, toda a vida, incluindo a vida humana, corre o risco de perder o fundamento da sobrevivência.”

Espiritualmente falando, como pessoas católicas guiadas pelo Espírito Santo, somos chamadas a cuidar dos menores entre nós, os membros mais vulneráveis da Criação de Deus. A crise ecológica afeta a eles mais do que ninguém.

O Papa Francisco reforça isso na Laudato Si’, “Anualmente, desaparecem milhares de espécies vegetais e animais, que já não poderemos conhecer, que os nossos filhos não poderão ver, perdidas para sempre. A grande maioria delas extingue-se por razões que têm a ver com alguma actividade humana. Por nossa causa, milhares de espécies já não darão glória a Deus com a sua existência, nem poderão comunicar-nos a sua própria mensagem. Não temos direito de o fazer.” (LS 33).

O Papa Francisco também compartilha como é vital cuidar da criação de Deus para ser católico na era do aumento do nível do mar e temperaturas mais quentes: “Viver a vocação de guardiões da obra de Deus não é algo de opcional nem um aspecto secundário da experiência cristã, mas parte essencial duma existência virtuosa” (LS 217).

A proteção da criação é essencial para a nossa fé.  O relatório do Instituto de Pesquisa Laudato Si’, “participar ativamente ou inativamente na destruição da biodiversidade, então, é um pecado ecológico.”

Além disso, como uma família cristã global, todos nós somos chamados a cuidar da criação. É um princípio da fé cristã que une os 2,4 bilhões de cristãos do mundo anualmente de 1º de setembro a 4 de outubro, na celebração do Tempo da Criação.

Como ajudar toda a criação de Deus antes da COP15

Como pessoas católicas e cristãs, cabe a nós garantir que o próximo acordo na COP15 proteja toda a criação de Deus. Devemos ter metas audaciosas que protejam nossa casa comum.

Comece sua mobilização assinando a petição “Planeta Saudável, Pessoas Saudáveis”.